IA e conjunto de dados para transformar a indústria marítima

um navio cercado por linhas para ilustrar tecnologia e IA e dados que abrangem estratégia marítima

O ritmo da mudança está a acelerar, escreve Mike Collier, gestor de desenvolvimento de negócios do Grupo MARSS, o que significa que a IA e os dados já estão a ter grandes implicações para o transporte marítimo.

Ao pensar na indústria marítima, é fácil deixar-se levar por um sentimento de romantismo.

A navegação marítima é, e continuará a ser, uma forma de arte definida pela liberdade de vaguear, com competências e conhecimentos transmitidos de geração em geração. E, embora alguns operadores de navios estejam constantemente a avançar na vanguarda da tecnologia, há outros para quem o respeito pelas tradições os tornou mais hesitantes do que outros em se afastarem das formas estabelecidas de fazer as coisas.

No entanto, mesmo os marinheiros mais conservadores estão a começar a ser arrastados pela maré digital e o ritmo da mudança está a acelerar.

As soluções digitais estão penetrando em indústrias ricas em tradição e história, como a marítima, e nas próximas décadas podemos esperar ver uma rápida aceleração da transformação marítima impulsionada por dados, automação e tecnologias inteligentes.

Embora a autonomia total ainda possa demorar muitas décadas, as tripulações diminuirão à medida que as operações se deslocarem para terra. As eficiências baseadas em dados provenientes de análises preditivas, roteamento otimizado e manutenção preventiva reduzirão custos e impacto ambiental. Sistemas de segurança e consciência situacional de última geração tornarão as viagens mais seguras.

À medida que os custos diminuem, os nossos mares ficam mais inteligentes e as viagens tornam-se cada vez mais seguras, o que poderá marcar uma nova era de oportunidades e crescimento no transporte marítimo global, com as empresas a lançarem cada vez mais veículos e os nossos mares a fervilharem com novas atividades.

Assim, os avanços na tecnologia estão a impulsionar a mudança e as soluções inteligentes, que estão a transformar outras indústrias, tornaram-se cada vez mais difíceis de serem ignoradas pelos intervenientes marítimos.

Então, quão 'inteligente' isso ficará? Até que ponto (e rapidamente) serão transformadas as operações marítimas?

Os dados serão aproveitados para obter ganhos de eficiência

O futuro do transporte marítimo estará centrado nos dados.

Uma das maiores oportunidades para um futuro marítimo mais inteligente é aproveitar adequadamente as imensas quantidades de dados já recolhidas pelas companhias marítimas.

Neste momento, muitas empresas estão a acumular enormes conjuntos de dados provenientes de sensores, sistemas e equipamentos de navios – mas podem não estar a aproveitar ao máximo esta sobrecarga de informação.

Nas próximas décadas, os avanços nas tecnologias de inteligência artificial e de aprendizagem automática permitirão que as organizações marítimas analisem e obtenham informações mais eficazes a partir dos seus estoques de dados.

Por exemplo, ao aplicar IA a fontes de dados importantes, como relatórios do meio-dia, as empresas podem otimizar as operações para obter a máxima eficiência. Enquanto isso, a análise preditiva pode ser usada para tomar decisões de roteamento mais inteligentes que minimizam o uso de combustível com base no clima, nas correntes e em outras variáveis. Os regimes de manutenção baseados em dados podem reduzir o tempo de inatividade dos equipamentos e as reparações dispendiosas, e os operadores de embarcações também podem descobrir padrões nos seus dados para identificar e eliminar ineficiências operacionais, identificando gargalos e pontos problemáticos – como o espaço portuário.

À medida que as capacidades da ciência de dados amadurecem, a indústria marítima terá novas ferramentas poderosas para aumentar a produtividade, reduzir despesas e diminuir a sua pegada ambiental através de uma maior eficiência.

IA significa menos pessoas no mar

A busca pela eficiência levará inevitavelmente à redução do tamanho das equipes nos próximos 30 anos. À medida que mais dados dos navios são transmitidos às equipas em terra para monitorização e análise, haverá menos necessidade de grandes tripulações a bordo.

Isto permitirá às companhias marítimas reduzir os custos com pessoal, que representam uma despesa importante, dados os requisitos para marítimos altamente treinados e credenciados.

Recentemente Kongsberg Maritime anunciou que recebeu aprovação em princípio dos reguladores para transferir a função de engenheiro-chefe do navio para um centro de controle baseado em terra, que eventualmente verá um grande número de funções deixar os navios.

No entanto, com tripulações mais reduzidas, os operadores marítimos devem tornar-se mais inteligentes no que diz respeito à formação da tripulação, às interfaces homem-máquina, à gestão da carga de trabalho e à resiliência operacional. Embora as tecnologias abram a porta a equipas mais pequenas, isto também introduz novos riscos humanos que devem ser cuidadosamente geridos. Manter a segurança e a prontidão com equipes reduzidas exigirá abordagens inovadoras.

Os pilotos automáticos marítimos de IA ficarão mais inteligentes, mas não assumirão totalmente o controle (ainda)

Dito isto, não prevejo um sistema marítimo baseado na autonomia total num futuro próximo.

Embora o piloto automático e os sistemas de navegação autónomos certamente se tornem mais inteligentes, os navios são embarcações incrivelmente complexas que ainda exigirão supervisão humana num futuro próximo.

Mesmo à medida que os pilotos automáticos avançam, os navios exigem cuidados, manutenção e intervenção humana constantes que a tecnologia de ponta não pode [ainda] substituir totalmente. Além disso, os navios que estão sendo construídos hoje têm uma longa vida útil de 20 a 30 anos, o que significa que grande parte da frota existente não será compatível com a automação abrangente até que estes sejam aposentados.

No entanto, podemos esperar que os sistemas de piloto automático assumam cada vez mais funções à medida que evoluem para se tornarem plataformas mais capazes.

Dados significam que a consciência situacional e a segurança no mar serão de última geração

A tecnologia também está ajudando a tornar a navegação marítima mais segura, tanto para tripulações como para passageiros a bordo de navios de todos os formatos e tamanhos.

Plataformas como NiDAR da MARSS (que se integra às câmeras e sistemas de navegação existentes nas embarcações para alimentar uma única imagem tática e é usado por super iates para segurança), por exemplo, estão reunindo dados de diferentes sensores para criar uma imagem única e intuitiva, proporcionando consciência situacional altamente avançada e proteção em domínios de superfície e aéreos.

Os sistemas automatizados de homem ao mar também estão melhorando a segurança marítima. Por exemplo, O MOBtronic da MARSS garante a detecção instantânea, classificação e suporte de resgate de uma queda humana ao mar de uma embarcação ou estrutura marítima, e já está implantado em diversas frotas de cruzeiros.

Na verdade, à medida que os sistemas de detecção forem reconhecidos como sistemas fiáveis, a indústria marítima será obrigada a instalá-los em todos os navios. É fácil prever, dentro de 30 anos, que todos os navios marítimos com um determinado tamanho estarão a utilizar um sistema de detecção de homem ao mar. E, à medida que estes sistemas se tornam cada vez mais inteligentes, estas mesmas plataformas poderão ser utilizadas para detectar outras atividades, como o despejo ilegal para proteger o ambiente.

Mais informações sobre o Grupo MARSS estão disponíveis em seu website.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Esta página foi traduzida do inglês por GTranslate. O artigo original foi escrito e/ou editado pela equipe MIN sediada no Reino Unido.

Ir para o conteúdo